Da Ideia à Exposição – workshop no Porto

Captura de tela 2018-01-10 às 17.48.23

A APAF vai realizar no próximo sábado, dia 20, um workshop sob o tema “Da Ideia à Exposição”, sendo destinado a fotógrafos, gestores culturais, futuros curadores e artistas em geral. Saber desenvolver um projeto fotográfico, trabalhar o conceito, calendarizar o projeto e angariar de apoios para o projeto são alguns dos temas a abordar, a par com questões de ordem técnica e estética.

O workshop decorre entre as 10 e as 17.30, numa das salas do Hotel Quality Inn, na Praça da Batalha.

O programa detalhado e condições de inscrição podem ser vistas em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Anúncios
Publicado em Formação APAF, Notícias

No Brasil, decorre até 25 de janeiro a convocatória para o FestFoto 2018

Captura de tela 2018-01-18 às 16.55.09

O FestFoto 2018, realizado em Porto Alegre, no Brasil, abre a sua convocatória para a seleção de trabalhos que serão exibidos na programação de projeções Fotograma Livre 2018. A Convocatória é aberta a todos os fotógrafos, de qualquer nacionalidade, com o tema Géneros em Trânsito: Fotografia de Fronteira.

“Géneros em Trânsito: Fotografia de Fronteira” entende-se um vasto repertório de pensamentos, impulsos e ações do ser humano nos campos social, político e cultural com a fotografia unindo fronteiras de linguagens. Serão selecionados 20 finalistas dos quais dois serão considerados os vencedores da Convocatória 2018, e estarão automaticamente convidados a exibir seus trabalhos na edição 2019. Os 10 primeiros colocados terão seus trabalhos publicados na OF Magazine, revista online do FestFoto.

A Convocatória FestFoto 2018 mantem a parceria com LensCulture. A data limite é 25 de janeiro de 2018 e serão aceitas inscrições em duas categorias: Multimídia/Narrativas Visuais em video (com trabalhos de até 4 minutos) e Portfolio com até 20 imagens. Mais informações em http://www.festfoto.art.br/convocat%C3%B3ria.html

Publicado em Notícias

Adriano Pimenta, menção honrosa dos Novos Talentos FNAC

Captura de tela 2018-01-18 às 16.41.59

Fotografia Adriano Pimenta

Depois de há dias termos aqui referido o trabalho de Luís Preto, vencedor do Prémio Novos Talentos FNAC na área da fotografia, apresentamos hoje o trabalho de Adriano Pimenta, que obteve uma Menção Honrosa neste mesmo prémio com o portfólio Testemunho ou Chacado.

Diz-nos o autor que “estas 14 imagens testemunham alguns dos elementos fundamentais da cultura, história e território Saudita.

Os seus erros e suas mudanças.

Não são um julgamento fotográfico mas sim um testemunho duma fé que esconde as suas contradições.

O deslizar e levantar do véu é reclamado por uma nova abordagem na elevação da cultura saudita, livre das restrições interpretadas no livro sagrado.

Estas imagens simbolizam uma vivência de alguém que aprendeu a observar através da sua máquina fotográfica a singularidade de uma nação, através dos elementos visíveis e invisíveis, que marcam a sua cultura, história e território”.

Captura de tela 2018-01-18 às 16.42.19

Fotografia Adriano Pimenta
Publicado em Notícias

Sinfonia de Neptuno, de Luís Quinta

Captura de tela 2018-01-18 às 16.34.16

Fotografia Luís Quinta

Em Lisboa, Luís Quinta, apresenta no Arquivo Fotográfico, Sinfonia de Neptuno, um conjunto de imagens captadas na frente atlântica de Almada. A exposição inaugura dia 24 de janeiro pelas 18.30 horas.

Publicado em Uncategorized

Em Lagoa, no Algarve

Captura de tela 2018-01-18 às 16.27.09

Os Encontros de Fotografia de Lagoa dão início no próximo dia 25 ao Capítulo I do Ciclo de Exposições The sardine photo experience. A exposição que abre este ciclo, às 18.30 no Restaurante Tertúlia Algarvia, intitulada A procissão em honra de Nossa Senhora dos Navegantes, na ilha da Culatra, é da autoria de Vítor Pina, fotógrafo e arquiteto paisagista residente em Faro e manter-se-à aberta ao público até 8 de março.

Refira-se que este ciclo de exposições, desenvolvido pelos Encontros de Fotografia de Lagoa, têm a sardinha como objeto de atenção e que abordam temas específicos: a pesca da sardinha no Algarve, a indústria conserveira, as sardinhadas e as procissões marítimas dos pescadores. O capítulo I deste ciclo decorre de 25 de janeiro a 08 de março.

Captura de tela 2018-01-18 às 16.19.10

Fotografia Vítor Pina, da série A procissão em honra de Nossa Senhora dos Navegantes, na ilha da Culatra
Publicado em Notícias

Em Loures

Captura de tela 2018-01-18 às 16.13.09

A Câmara Municipal de Loures realiza um conjunto de visitas comentadas à exposição de Rui Macedo. Inseridas na iniciativa Arte em Contexto – conversas informais, destacamos no dia 23 de janeiro a visita comentada por Rui Macedo e Cláudia Camacho e destinada ao público escolar, no dia 27, a visita comentada por Paulo Pires do Vale. Destacamos igualmente, dia 3 de fevereiro, a visita orientada por David Santos, recorde-se responsável pelo última edição da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira.

Publicado em Notícias

Compêndio de observações fotográficas luz e cegueira

Captura de tela 2018-01-18 às 16.02.14

No próximo dia 25 inaugura no Arquivo Fotográfico de Lisboa a exposição Compêndio de observações fotográficas luz e cegueira, de Valter Ventura. A exposição, que estará patente ao público até abril, conta com duas visitas guiadas, uma a 1 de março por Sofia Castro e outra a 23 de março pelo autor. Recorde-se que o Arquivo fica na Rua da Palma 246 e está aberto de segunda a sábado, das 10 às 19 horas.

Publicado em Notícias

Da Ideia à Exposição, no Porto

Document1

A APAF vai realizar no próximo sábado, dia 20, um workshop no Porto sob o tema Da Ideia à Exposição. Este workshop é destinado a fotógrafos, gestores culturais, futuros curadores e artistas em geral.

O plano de formação desta ação centra-se no saber organizar, planificar e apresentar o seu próprio trabalho fotográfico. Os participantes devem levar um curriculum e um portfolio estando em debate o saber desenvolver o trabalho de uma forma esteticamente coerente e promove-lo. Neste workshop serão referidas as estratégias de produção de uma exposição, serão abordadas questões relacionadas com a definição de critérios estéticos, aspetos económicos e práticos relacionados com a montagem de uma exposição e sua divulgação.

O workshop terá início pelas 10 horas e decorre até às 17.30. O local de realização do mesmo é o Hotel Quality Inn, na Praça da Batalha.

O programa detalhado e condições de inscrição podem ser vistas em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Publicado em Formação APAF, Notícias

No Porto: workshop da APAF – Da Ideia à Exposição

Captura de tela 2018-01-10 às 17.48.23

Saber organizar, planificar e apresentar o seu próprio trabalho fotográfico é hoje um imperativo de qualquer fotógrafo. Mais ainda, há que saber desenvolver o trabalho de uma forma esteticamente coerente e por fim promove-lo. Estes são alguns dos temas que iremos abordar no próximo dia 20, num workshop que a APAF realizará no Porto. O local escolhido será bastante central, na Praça da Batalha, decorrendo esta ação de formação entre as 10 e as 17.30. Mais informações em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Publicado em Formação APAF, Notícias

World Press Photo

Captura de tela 2018-01-16 às 18.17.55

Foi já apresentado o júri que escolherá os melhores trabalhos da world Press Photo de 2018. Os nomes e curriculuns podem ser vistos em https://www.worldpressphoto.org/news/2017-11-20/presenting-2018-world-press-photo-contests-juries

Publicado em Notícias

Centro Português de Fotografia

Captura de tela 2018-01-16 às 18.00.31

O Centro Português de Fotografia em 2017 recebeu 119.731 visitantes. Dados divulgados pelo CPF mostram um continuado crescimento no número de visitantes. Além de ter celebrado em 2017 os seus 20 anos de existência (25 de junho de 1997), este foi também o ano em que a sua sede, a Antiga Cadeia e Tribunal da Relação do Porto foi classificada como Monumento Nacional.

Comparativamente ao número de visitantes registado em 2015 (104.154 visitantes) – uma vez que 2016 foi um ano atípico durante o qual o CPF conseguiu manter as portas abertas, pese embora as obras em curso – verificou-se um aumento de 14,96 % no n.º de visitantes. De facto de 104.154 visitantes em 2015 o CPF passou para 119.731 registados em 2017, mais 15.577 visitantes do que em 2015.

Situado junto aos Clérigos, no Porto, o edifício é ainda hoje conhecido como “a Cadeia da Relação”, tendo começado a ser construído em 1767 sob a traça de Eugénio dos Santos. Por ali passaram “Zé do Telhado” e Camilo Castelo Branco, tendo sofrido profundas remodelações em 1987 e 1989. Sendo missão do CPF a promoção e salvaguarda do património arquivístico fotográfico, o CPF possui um programa anual de exposições temporárias, um Núcleo Museológico permanente, que inclui uma rara, valiosa e diversificada coleção de máquinas fotográficas, uma biblioteca e diversas salas de exposição. Presentemente tem em exposição Ilha, de Paulo Pimenta, Rituais do Ver, de Fátima Carvalho, Extraños, de Juan Manuel Prieto e ainda A Esfera de Empédocles, uma seleção da Coleção Nacional de Fotografia.

Captura de tela 2018-01-16 às 17.52.53

Publicado em Notícias

5×5

Captura de tela 2018-01-16 às 17.41.45

Dia 27 de janeiro inaugura a exposição 5×5 na Leica Gallery Porto. Recorde-se que a Leica Gallery fica na Rua Sá da Bandeira 48.

Publicado em Notícias

Fotógrafas de Guerra

Captura de tela 2018-01-16 às 17.25.12

Para quem pensa que a fotografia durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) foi só feita por homens, é de ler um interessante artigo de Alison Meier. Em https://hyperallergic.com/410238/no-mans-land-women-photographers-wwi-impressions-gallery/?utm_campaign=coschedule&utm_source=twitter&utm_medium=hyperallergic&utm_content=The+Women+Photographers+of+World+War+I

Publicado em Notícias

Livros de fotografia

Captura de tela 2018-01-16 às 17.16.35

The perfect man, de Cristina de Middel. Editado por La Fábrica

Em Espanha, o El País, convidou um conjunto de profissionais, curadores e críticos para escolherem os melhores 10 livros de fotografia editados em Espanha, durante o ano de 2017. A escolha pode ser vista em https://elpais.com/elpais/2018/01/11/album/1515669343_692383.html#foto_gal_2

Publicado em Notícias

No Porto, workshop Da Ideia à Exposição

Captura de tela 2016-01-08 às 15.54.58

A APAF vai realizar no próximo sábado, entre as 10 e as 17.30, um workshop sob o tema “Da Ideia à Exposição”. Saber organizar, planificar e apresentar um projeto fotográfico, ou trabalhar sob a forma de projeto, é o tema central deste workshop, que se realiza num dos hóteis da Praça da Batalha, no Porto.

Sendo hoje um imperativo de qualquer fotógrafo, o desenvolvimento de um projeto deve ser feito de forma coerente e sustentada, quer em termos estéticos, quer económicos. Sendo a primeira parte do workshop destinada à abordagem do Projeto Fotográfico, a segunda parte visa olhar para a exposição como o culminar do Projeto e como forma de adquirir visibilidade artística. Mais informações em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Publicado em Formação APAF, Notícias

She Looks into Me, de Nuno Moreira

Captura de tela 2018-01-15 às 17.12.55

She Looks into Me é o título do livro de fotografia de Nuno Moreira com textos de Adolfo Luxúria Canibal. É a materialização em livro de uma série fotográfica concebida de maneira similar a teatro, derivando o título do projecto de um poema do surrealista Paul Éluard, poema que abre o livro e sugere o carácter imersivo das fotos. Este é o terceiro foto-livro de Nuno Moreira, que sucede a Zona (2015), no qual o fotógrafo contou com a colaboração do escritor José Luís Peixoto.

Esta série, que se encontra dividida em três capítulos (Being, Becoming, Unbecoming), parte de um estudo visual sobre o conceito de tragédia explorando através de uma coreografia de sombras e corpos os ciclos da vida e da morte.

Adolfo Luxúria Canibal através de palavras-chave alude ao universo íntimo das fotos contidas no livro. Partindo de uma abordagem figurativa o autor cria uma sequência de imagens com enfoque na simplificação da forma e nos nuances contidos em gestos e sombras: aspectos simbólicos representativos da maneira como nos relacionamos.

Publicado em Notícias

Fluxos – fotografia de Roberto Santandreu

Captura de tela 2018-01-12 às 17.10.54

Texto e fotografia Margarida Neves

O Convento dos Capuchos, na Caparica, apresenta-nos a exposição Fluxos do fotógrafo chileno Roberto Santandreu e integrada no Mês da Fotografia ImaginArte Almada 2017.

Roberto Santandreu partilha com o público uma série de registos de tampas metálicas ou de outros materiais, encontradas no asfalto das estradas ou nas calçadas das diversas cidades por onde tem passado e que permitem o acesso às redes subterrâneas de distribuição de água, esgotos, electricidade, gás e comunicações desses aglomerados urbanos.

Os desenhos, texturas e funcionalidade dessas tampas captaram a atenção do fotógrafo nas suas andanças, dando assim origem à execução de um conjunto de fotografias a preto e branco de singular beleza e harmonia, onde a excelente qualidade técnica no registo da luz não é de todo alheia ao resultado final.

As doutrinas dos filósofos pré-socráticos, também chamados naturalistas ou filósofos da natureza, relativas aos elementos originários do Universo, o ar, a água e o fogo influenciaram de igual modo Roberto Santandreu, ao sintetizar esses pensamentos no objecto único que figura nas suas imagens, atribuindo-lhe um carácter simbólico como representação desses elementos.

O trabalho aqui patente está longe de ser superficial ou banal, submetendo o nosso olhar a múltiplas reflexões sobre algo que, frequentemente, nos “passa ao lado” na nossa corrida diária.

Desde logo, ao cingir esta mostra às imagens das tampas mencionadas, quais portas de entrada de um mundo oculto, Roberto Santandreu salienta-nos, em primeiro lugar, a importância na nossa sociedade da estrutura “invisível” que se desenvolve para lá dessas portas. Sem recorrer à revelação directa e óbvia do que se encontra no subsolo, o artista leva-nos inevitavelmente à constatação dessa realidade, indispensável no nosso dia a dia.

O fluxo dos nossos passos, das nossas vidas, ora calmo e contemplativo, ora apressado e indiferente faz-se, inquestionavelmente, sobre estas tampas, existentes aqui e ali nas estradas e nos passeios das rotas que percorremos. Testemunham episódios do nosso quotidiano e separam o solo que nos serve de base, iluminado e visível, das redes complexas e escondidas existentes por baixo da sua superfície, onde fluxos de outros elementos se geram, movimentando-se em plena escuridão.

Num outro plano, esta ideia de dois universos interligados pode ser também espelhada na própria figura humana: a sua aparência exterior, iluminada, visível que se revela sem subterfúgios e o seu “eu” interior, que não se vê num primeiro olhar mas que pode emergir para a luz através da abertura de determinadas portas que dão acesso à sua alma.

O percurso de vida do fotógrafo e as viagens por ele efectuadas que desencadearam a recolha destes documentos, transportam-nos para várias cidades espalhadas pelo mundo. Somos capazes de nos observar, aqui por perto, deambulando por Lisboa, Almada, Setúbal, Cascais, Sintra, Oeiras, Vila Franca de Xira ou S. Martinho do Porto. Numa escala mais longínqua, imaginamo-nos noutros países tal como Argentina, Alemanha, Holanda ou Uruguai, percorrendo ruas de Buenos Aires, Frankfurt, Amsterdão ou Montevidéu.

A inesperada associação de recordações do fotógrafo inerentes aos locais onde as tampas se situam e os estados emotivos sentidos por Roberto Santandreu nesses lugares são-nos transmitidos por pequenas anotações manuscritas em cada fotografia. Para esse efeito o artista evoca acontecimentos históricos, refere pormenores ocorridos na sua vida ou destaca escritores, poetas, pensadores, pintores e músicos intrínsecos desses locais, imprimindo uma nova e atractiva dimensão aos documentos apresentados.

Roberto Santandreu deslumbra-nos com mestria quando nos faz reconhecer nos próprios desenhos e padrões patentes em cada tampa as memórias que nos divulga. Ao fazer desfilar perante os nossos olhos estas tampas cuja forma é sempre circular (salvo duas excepções), o artista remete-nos para a interpretação, segundo alguns, da figura do círculo enquanto representação do ciclo da vida e como símbolo da eternidade, da perfeição e da divindade para outros, acrescentando um outro patamar ao objecto retratado. Um conjunto de imagens que merece, sem dúvida, a nossa atenção e admiração! Margarida Neves

Publicado em Crítica, Notícias

Luís Preto, com o portfólio Maciço Antigo, vencedor dos Novos Talentos FNAC

Captura de tela 2018-01-12 às 16.37.13

Fotografia Luís Preto

Luís Preto é o vencedor do Prémio Novos Talentos FNAC na área da fotografia. Uma distinção que destaca a “capacidade narrativa de excelência” do seu autor, nas palavras de Inês Condeço, diretora de comunicação da FNAC. Com o portfólio Maciço Antigo, o júri destacou o trabalho de reflexão e ao mesmo tempo “materializar a ligação do mundo rural português com aquilo que o envolve, acabando por criar uma narrativa conscientemente cuidada que acaba por revelar as gentes e os lugares isolados num Portugal que vive entre o frágil do presente e os poucos mas fortes alicerces do passado. Mário Cruz, presidente do júri, destaca ainda o facto de este trabalho nos transportar “para uma série sobre as marcas do tempo e sobre uma população arredada do mesmo. Retratos intimistas, arquiteturas desenhadas pelos anos que passaram, acompanhados por hábitos e costumes que venceram o desgaste, marcam um percurso de observação notável. A linguagem e a proximidade registadas suscitam a pergunta, criam a curiosidade, conseguem, portanto, incentivar o observador a procurar e saber mais sobre as caras e texturas que encontra nesta série de imagens. O retrato de uma mulher e do seu cabelo longo, sentada num banco de dimensões que fogem do esperado, com um olhar distinto mas natural, vai precisamente ao encontro do nosso imaginário e, naturalmente, ao que é o nosso sentido de identidade.

Não só o tempo foi amigo de Luis Preto porque possibilitou várias incursões a estas terras achadas entre montanhas como trouxe a minuciosa estrutura que está na génese de cada fotografia que compôs. Através do fio condutor a preto e branco somos naturalmente convidados a praticar o exercício de descoberta dos territórios que ligam o Minho e Trás-os-Montes. A força do tempo, uma questão tão premente em quem comunica através da imagem, é o que move, o que possibilitou e, ao mesmo tempo, o que eleva o trabalho fotográfico de Luis Preto. O exercício de procura foi intenso e reflete-se nos detalhes ao longo do conjunto de imagens. A nostalgia que se encontra não é a comum porque estamos a observar o presente, é através deste paradoxo que o autor consegue criar uma ligação valiosa. Aqui tudo o que nos remete para o passado pode ser encontrado hoje.

Se por um lado este trabalho nos remete para uma realidade parada no tempo, a verdade é que a mesma pode ser facilmente encontrada hoje no interior do país. Uma realidade que o autor, em entrevista ao P3 do Público, revela conhecer bem. Nascido em Trás-os-Montes, vivendo no Minho, Luís Preto é técnico florestal e geógrafo, o que o leva a conhecer a vida dura das populações do interior do país. Para a sua formação fotográfica muito contribuiu o Laboratório de Criação e Experimentação de Fotografia (CICLO), no Porto, sendo de destacar o olhar moderno e apaixonado que encerram algumas imagens, como a que encabeça este artigo.

Captura de tela 2018-01-12 às 16.37.37

Fotografia Luís Preto
Publicado em Notícias

No Porto – workshop Da Ideia à Exposição

Captura de tela 2018-01-10 às 17.48.23

Saber organizar, planificar e apresentar o seu próprio trabalho fotográfico é hoje um imperativo de qualquer fotógrafo. Mais ainda, há que saber desenvolver o trabalho de uma forma esteticamente coerente e por fim promove-lo. Estes são alguns dos temas que iremos abordar no próximo dia 20, num workshop que a APAF realizará no Porto. O local escolhido será bastante central, na Praça da Batalha, decorrendo esta ação de formação entre as 10 e as 17.30. Mais informações em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Publicado em Formação APAF, Notícias

Em Angra do Heroísmo

Captura de tela 2018-01-11 às 17.49.41

Em Angra do Heroísmo, nos Açores, Luís Godinho apresenta Leve, Leve, entre 18 de janeiro e 19 de abril. A exposição está patente ao público no Instituto Açoriano de Cultura.

Publicado em Notícias

Em Alhandra

Captura de tela 2018-01-11 às 17.41.01

No próximo dia 14, pelas 16 horas, inaugura a Exposição Coletiva da Associação dos Artistas Plásticos do Concelho de Vila Franca de Xira. A exposição decorre na Galeria Augusto Bértholo, em Alhandra, e estará patente ao público até 18 de fevereiro.

Publicado em Notícias

Luís Pereira – De certos lugares o silêncio

Captura de tela 2018-01-11 às 17.31.36

Inaugura hoje n’A Pequena Galeria, em Lisboa, De certos lugares o silêncio, de Luís Pereira. A exposição estará patente até 3 de fevereiro. Recorde-se que A Pequena Galeria fica na Av. 24 de Julho 24 C, Av.24 de Julho 4C , junto ao Time Out Mercado da Ribeira.

Publicado em Notícias

Carvão de Aço, de Adriano Miranda, no Porto

Captura de tela 2018-01-11 às 17.21.27

Fotografia Adriano Miranda

Não aprendi a ser fotógrafo de jeito. Mas a Fotografia que produzo é o reflexo do que aprendo com os outros, os retratados. São eles que todos os dias me ensinam o mundo. Os mineiros do Pejão ensinaram-me os valores da dignidade e da luta. Os valores do Trabalho. Foi assim que me fiz. Com eles“. As palavras são de Adriano Miranda, fotógrafo do jornal Público, que no próximo sábado, dia 13, pelas 16 horas, apresenta o seu trabalho Carvão de Aço no Mira Fórum, no Porto.

 

Publicado em Notícias

Da Ideia à Exposição – workshop no Porto

Captura de tela 2018-01-10 às 17.48.23.png

No próximo dia 20, entre as 10 e as 17.30, a APAF vai realizar, no Porto, o workshop Da Ideia à Exposição. Esta ação de formação destina-se a todos quantos queiram desenvolver o seu trabalho sob a forma de projeto com vista a exposição ou edição, no caso de fotógrafos, ou compreender a trabalho de projeto para gestores culturais ou curadores.

Visa também, no caso de fotógrafos, dar algumas ferramentas para o desenvolvimento coerente e sustentado de um trabalho fotográfico, longe do acumular de imagens soltas. Por isso a primeira parte do workshop será destinada à abordagem do Projeto Fotográfico, enquanto que a segunda parte versará sobre as metodologias de construção de uma exposição pública ou de aspetos a ter em conta por quem visita uma exposição. Mais informações em https://associacaoportuguesadeartefotografica.wordpress.com/workshops/workshop-da-ideia-a-exposicao/

Publicado em Formação APAF, Notícias

Em Cascais

Captura de tela 2018-01-04 às 15.29.07

Decorreu no passado sábado uma visita de estudo promovida pela APAF, à exposição Herb Ritts – Em Plena Luz presente em Cascais. Durante duas horas a dezena e meia de participantes que participaram nesta visita, guiada e comentada, puderam refletir e debater sobre o retrato enquanto género fotográfico, as técnicas de impressão, ou sobre as influências estéticas visíveis nas várias imagens que compõem a exposição ou ainda sobre a forma de export imagens fotográficas.

Publicado em Formação APAF, Notícias

Uma visão de Lisboa

Captura de tela 2018-01-08 às 16.53.37

Está na internet Uma visão caleidoscópica da Lisboa do pós-guerra: Lisboa no Cais da Memória de Eduardo Gageiro, uma conferência que tem por base o livro deste conhecido fotógrafo numa intervenção de Paul Melo e Castro, docente na Universidade de Leeds.

Publicado em Notícias

Em Lisboa, até sábado

Captura de tela 2018-01-08 às 15.21.41

Fotografia Museu Coleção Berardo

Termina no próximo sábado a exposição Lu Nan. Trilogia, Fotografias, patente no Museu Coleção Berardo. Lu Nan, fotógrafo da agência Magnun, mostra-nos um trabalho com início em 1989 e conclusão em 2004, num olhar que nos leva numa viagem em três fases por zonas profundas da China, retratando respectivamente, o que pode ser o Inferno, o Purgatório e o Paraíso sobre a Terra. Um olhar ora duro e marcante, ora terno e tranquilo, reproduzido em fotografias a preto e branco de excelente qualidade técnica e estética.

Publicado em Notícias

Herb Ritts em Cascais – visita de estudo

Captura de tela 2018-01-04 às 15.29.07

Amanhã, sábado, a APAF promove uma visita guiada à exposição Herb Ritts – Em Plena Luz presente em Cascais. A visita será guiada e comentada, sendo o encontro às 11.00 à porta do Centro Cultural de Cascais. Os interessados devem fazer a sua inscrição prévia através do mail da APAF secretaria.apaf@gmail.com. A visita tem um custo de 3 euros, sendo gratuíta para os nossos associados e alunos dos Cursos Profissional e Avançado.

Publicado em Formação APAF, Notícias

Lens Culture

Captura de tela 2018-01-05 às 15.28.19

Matt Portch (Austrália)

A Exposição de Inverno 2017 da Lens Culture apresenta-nos um conjunto de trabalhos de diversos autores que sugerimos a sua visualização. Deixamos aqui dois dos trabalhos presentes, um de Jeffery Deemie (em baixo) e outro de Matt Portch (em cima). Para ver em https://www.lensculture.com/lensculture-winter-exhibition-2017?utm_source=General+List&utm_campaign=107818776d-12-12-17-ED-Newsletter&utm_medium=email&utm_term=0_f1724e682d-107818776d-90279545

Captura de tela 2018-01-05 às 15.29.23

Fotografia Jeffery Deemie (Estados Unidos da América)
Publicado em Notícias

Em Castelo Branco

Captura de tela 2018-01-05 às 15.18.32

Em Castelo Branco, numa iniciativa da Fundação de Serralves e da Câmara Municipal de Castelo Branco, está patente até 8 de abril a exposição Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa: Obras da Secretaria de Estado da Cultura na Coleção de Serralves, no Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco.

No site da Fundação de Serralves, que produz esta exposição, pode ler-se que “Corpo, Abstração e Linguagem na Arte Portuguesa reúne 30 obras da Coleção da Secretaria de Estado da Cultura (SEC) em depósito na Fundação de Serralves. A exposição representa, por um lado, os primórdios da constituição da Coleção de Serralves e, por outro, uma perspetiva muito singular sobre a arte produzida em Portugal entre as décadas de 1960–80. As obras escolhidas atestam os diversos níveis de diálogo e confluência formais que os artistas portugueses souberam estabelecer entre si e com o contexto internacional a partir do pós-guerra. Uma das particularidades mais notáveis da arte portuguesa neste longo período de consolidação das práticas artísticas em Portugal foi a relativa indiferença ou o recurso instrumental aos aspetos mais conceptuais e performativos da arte, não obstante alguns artistas se terem dedicado a eles, como Graça Morais, António Palolo e José de Carvalho, ou até terem sido incontornáveis e essenciais em períodos específicos das carreiras de Alberto Carneiro, Ângelo de Sousa e Julião Sarmento. O que esta exposição procura verificar é o modo como a pintura e a escultura enquanto meios resultaram primordiais a todos estes artistas e às suas indagações artísticas e filosóficas.

 Quase todos os artistas selecionados para esta mostra estudaram e iniciaram as suas carreiras no difícil ambiente da ditadura portuguesa em que a censura e a repressão política e cívica conduziu vários deles à prisão, caso de Júlio Pomar e de Nikias Skapinakis, ou ao exílio mais ou menos forçado e permanente, como aconteceu com António Dacosta, Jorge Martins e Paula Rego. A partir da segunda metade dos anos 1950, vários dos protagonistas da arte portuguesa do último terço do século XX tiveram a possibilidade de realizar estudos no estrangeiro, quase sempre em Paris ou Londres, com pontuais estadas em Munique ou Nova Iorque, como foi o caso de Lourdes Castro, René Bertholo, João Vieira, Jorge Martins, Alberto Carneiro, Ângelo de Sousa e Eduardo Batarda. Tal permitiu aos artistas desta geração absorverem as pesquisas modernistas desenvolvidas pelos artistas da geração anterior, como Júlio Pomar, Fernando Lanhas, Nikias Skapinakis e Joaquim Rodrigo, articulando-as com os questionamentos plásticos e estéticos que se processavam nos centros artísticos internacionais.

 Para estes artistas bem informados acerca dos caminhos da arte europeia e norte-americana na exploração da diluição das fronteiras entre cultura erudita e popular, no interesse pelas diversas manifestações da realidade e da comunicação mediática, na desmaterialização dos objetos artísticos, a opção pela pintura e pela escultura foi motivada pelo imperativo de desfazer um regime de imagens dependente da propaganda ideológica do Estado Novo, vinculado à representação dos valores conservadores e populares de uma sociedade que se queria estática, e reelaborar novas formas de ver e imaginar a realidade, consonante com a visão dinâmica de um mundo em transformação.”

Publicado em Notícias

Na Figueira da Foz

Captura de tela 2018-01-05 às 15.06.34

Fotografia João Ferreira, da série Arquipélago

Inaugura amanhã, pelas 16 horas, no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, a exposição de fotografia Arquipélago de João Ferreira. O projeto, que pode ser visto até 4 de março, foi apresentado ao público em Leiria, no final de 2015, tendo participado nos anos seguintes em várias exposições colectivas. Em 2016 o ensaio foi seleccionado pela agência Magnum e pela Canon, para a leitura de portefólios no Visa Pour l’Image em Perpignan, França, foi finalista do Prémio Revelação dos Encontros da Imagem, em Braga e recebeu uma menção honrosa no Tokyo International Photo Awards, Japão. Em 2017, foi vencedor do Prémio Internacional Fotojornalismo Estação Imagem, na categoria vida quotidiana. Sendo um trabalho em aberto, Arquipélago sofreu durante este ano uma mutação que será agora mostrada em exposição individual. Recordamos que o Centro de Artes e Espetáculos fica na Rua Abade Pedro.

Publicado em Notícias

PhotoEspaña 2018

Captura de tela 2018-01-05 às 14.39.54

Anuncia-se a XX PhotoEspaña para o período que medeia entre 6 de junho e 26 de agosto. Com particular destaque para a fotografia de retrato, para a fotografia espanhola e ainda para o colecionismo no âmbito da fotografia russa, não deixará de estar em destaque a jovem fotografia contemporânea europeia, numa colaboração da organizaçãoo com diversos museus e instituições culturais, ou a fotografia latino-americana através da Transatlântica.

Publicado em Notícias

Martin Parr

Captura de tela 2018-01-04 às 18.14.42

Para os admiradores de Martin Parr sugerimos uma visita ao site da Magnum em https://www.magnumphotos.com/theory-and-practice/martin-parrs-advice-documentary-photographers/?utm_source=fb-social&utm_medium=social&utm_campaign=Editorial

Publicado em Notícias

Nos jornais Correio da Manhã e Jornal de Notícias

Captura de tela 2018-01-04 às 18.03.21

A partir do próximo fim de semana os jornais Correio da Manhã e Jornal de Notícias irão publicar fotografias do passado, com um caráter histórico e documental, sendo Artur Pastor, António Passaporte, Eduardo Gageiro, Amadeu Ferrari ou Emilio Biel, alguns dos autores publicados. A série portuense, denominada Porto anos 50 – a cidade e o rio, mostra-nos um Porto milenar, retrato de hábitos e aspetos culturais que ainda hoje perduram na memória de muitos.

Publicado em Notícias

Visita de estudo – exposição de Herb Ritts em Cascais

Captura de tela 2018-01-04 às 15.29.07

A APAF promove no próximo sábado uma visita guiada à exposição Herb Ritts – Em Plena Luz presente em Cascais. A visita será guiada e comentada, sendo o encontro às 11.00 à porta do Centro Cultural de Cascais. Os interessados devem fazer a sua inscrição prévia através do mail da APAF secretaria.apaf@gmail.com. A visita tem um custo de 3 euros, sendo gratuíta para os nossos associados e alunos dos Cursos Profissional e Avançado.

 

 

Publicado em Formação APAF, Notícias