Rub’ Al-Khali (Empty Quarter), de Pauliana Valente Pimentel

Fotografia da exposição Rub’ Al-Khali por Margarida Neves

Na Galeria Lapso, em Setúbal, está patente ao público até 26 de Junho próximo Rub’ Al-Khali (Empty Quarter), exposição individual da fotógrafa e artista visual Pauliana Valente Pimentel (Lisboa, 1975).

A fotógrafa apresenta-nos o seu olhar sobre o Dubai, cidade e emirado de nome homónimo, o maior em termos populacionais dos sete que integram os Emirados Árabes Unidos, numa mostra que já passou pelo Porto em 2019/2020 e por Lisboa em 2016/2017. Na sequência do convite que lhe é feito pela curadora Marie Loffreda para visitar e retratar aquela cidade, inserida na Península Arábica, Valente Pimentel descobre as areias de um dos maiores desertos do nosso planeta que por aí se estendem. De seu nome Rub’ Al-Khali, Quarto Vazio em português ou Empty Quarter na versão inglesa, este deserto assume o protagonismo ao dar título ao trabalho fotográfico que a artista visual executa, caracterizando toda a experiência vivida e incentivando-nos a refletir sobre possíveis conotações associadas ao seu significado.  

Pauliana Valente Pimentel, da série Rub‘ Al-Khali

A série de imagens aqui exposta documenta o quotidiano do Dubai de uma forma poética e singular, enquadrando a realidade através de detalhes e paisagens, interiores ou exteriores, que nos levam numa viagem plástica no limiar do sonho. A deambulação por uma cidade muito diferente daquilo que conhece, onde  tudo  o que é sonhado parece possível existir, mesmo que seja artificial, estimula a fotógrafa a captar essa sensação. A narrativa foge do óbvio e do explícito, centrando-se em ambientes e pormenores que nos emocionam e surpreendem, como se vivêssemos um delírio cromático mas não deixando de revelar, ainda assim, este emirado e a sua cultura naquilo que o identifica e diferencia.

A figura humana está presente em muito menor escala comparativamente a outros trabalhos de Valente Pimentel, testemunhando o difícil acesso à intimidade deste povo que a fotógrafa encontrou, por ser mulher e pelos códigos impenetráveis desta sociedade. Salvo algumas excepções, a barreira imposta por tal facto levou Pauliana a focar-se mais noutros elementos,  registando situações do dia a dia “numa mistura eclética de indivíduos, paisagens e de interiores”, tendo em mente referências como Robert Frank, William Eggleston, Walker Evans, Stephen Shore e Alec Soth, segundo afirma na folha de sala.

A incursão de alguns dias no Rub’ Al-Khali é o ponto de partida para mais tarde Valente Pimentel nomear o projecto em curso, o que permite situar-nos geograficamente na região abordada, contextualizar as origens do Dubai e assim definir a comunidade local. Por outro lado, o significado de Quarto Vazio poderá lançar também um vínculo à artificialidade sentida ou, indo mais longe, à própria conduta de uma população.    

Pauliana Valente Pimentel, da série Rub‘ Al-Khali

Um pequeno apontamento em vídeo acompanha a exposição, constituindo uma peça importante a par das imagens fotográficas, transmitindo-nos comportamentos que as complementam, impossíveis de materializar na sua totalidade num registo estático. A folha de sala é clara e abrangente. O espaço físico que acolhe Rub’ Al-Khali (Empty Quarter) proporciona uma boa leitura, num ritmo aliciante.

Sem fazer juízos de valor mas através das suas impressões e vivências, Pauliana Valente Pimentel conduz-nos à alma do Dubai fixando-a em momentos que parecem ultrapassar a esfera do real aos nossos olhos, justificando em pleno uma visita a Setúbal.   

A Galeria Lapso situa-se na Rua Arronches Junqueiro 126 e tem horário de funcionamento de quarta a sábado das 14h30 às 18h30. A não perder!

Margarida Neves

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.