Sem Identificação, de Gilberto Perin

0

Fotografia Margarida Neves

A Pequena Galeria, em Lisboa, expõe ao público até 23 de Fevereiro próximo, o projecto fotográfico Sem Identificação de Gilberto Perin (Guaporé, Rio Grande do Sul, Brasil, 1954), com curadoria a cargo de Luís Pereira.

Corpos sem cabeça é a definição imediata e óbvia com que caracterizamos este conjunto de imagens do fotógrafo e artista visual brasileiro, Gilberto Perin, num primeiro olhar e como que a encaminharmo-nos para um aparente universo infantil, uma inocente brincadeira de crianças. Perin regista múltiplas poses de corpos humanos nus, indo buscar inspiração a figuras representadas em conhecidas obras de arte ou valendo-se da espontaneidade do modelo, revelada no momento da sessão fotográfica. A linha condutora, inerente à série de imagens produzida, tem como base a ocultação da cabeça através da escolha do enquadramento apropriado para esse fim.

Com efeito, a ausência deste elemento do nosso corpo e, em particular, a falta do olhar como ponto de referência de uma pessoa, é um ponto fulcral causando-nos uma certa estranheza e, citando o fotógrafo, “passa a significar uma identidade perdida, levando-se em conta que a cabeça é o centro de tudo: das emoções até à decisão da nossa vida ou morte”. A nudez sugere-nos uma intimidade, uma proximidade apenas ilusória, face ao desconhecimento que sentimos perante o sujeito, ignorando a sua individualidade e os seus pensamentos.

A dissimulação da cabeça pode denunciar, de igual modo, uma desorientação, um comportamento aberrante, algo que frequentemente designamos como “estar de cabeça perdida”. Partindo desta ideia, Perin leva mais longe o conceito do seu trabalho ao fazer, de uma forma irónica e introspectiva, uma crítica ao momento actual, questionando-nos “que indivíduos somos nesta sociedade, que têm impulsos tão primitivos a ponto de anular a identidade do outro”, porventura, enfatizando o comportamento de massas em detrimento da nossa singularidade, impondo ideias e juízos de valor aos que nos rodeiam.

Os corpos escolhidos pelo fotógrafo não pretendem seguir um determinado cânone de beleza nem género, sendo mostrados sem qualquer artifício ou acessório e em geral no singular ou, em alguns casos, aos pares. Um cenário minimalista, em estúdio e a opção pelo preto e branco fazem parte da abordagem do artista.

O efeito da luz incidindo nos corpos escultóricos de Perin traz-nos inevitavelmente à memória Robert Mapplethorpe e a forma perfeita que perseguia. Por outro lado, a tensão e a sugestão do movimento captadas em alguns registos remetem-nos para as esculturas gregas da Antiguidade, onde esse efeito era já aí explorado pelos artistas da época. Nomes díspares tais como sejam Miguel Ângelo, Henry Moore, Edgar Degas ou Tarsila do Amaral são-nos evocados e homenageados pela reinterpretação das suas obras.

Outros apontamentos são aqui passíveis de nota, tal como a expressividade contida que se desprende do posicionamento das mãos dos retratados e que nos faz questionar o que vemos, uma inesperada musicalidade silenciosa que se insinua ao nosso olhar ou, surpreendentemente, o carácter gráfico apresentado pelos corpos que nos são dados a contemplar. Um leque de sentimentos e emoções, passando pela tranquilidade, ansiedade, medo ou amizade, podem aliás, ser identificados de uma maneira algo dúbia mas contrariando a ideia anteriormente expressa e contribuindo para a profundidade e ambivalência do trabalho de Perin.

Um pequeno catálogo acompanha a exposição, além da folha de sala, que embora não sejam bilingues são suficientemente informativos e adequados. O espaço expositivo tem iluminação compatível e permite uma boa leitura do projecto, apresentado com um ritmo cativante, sem dar lugar à monotonia. Sem Identificação destaca-se pela variedade das mensagens visuais que encerra em si e pela capacidade de nos arrebatar ou de nos conduzir à reflexão.

 Recorde-se que A Pequena Galeria se encontra situada na Av. 24 de Julho 4C, com horário de funcionamento de quarta a sábado das 17h00 às 19h30. Margarida Neves

Esta entrada foi publicada em Crítica. ligação permanente.