(O)Porto, de José Bacelar

Captura de tela 2018-12-13 às 18.13.06

Fotografia José Bacelar

Inaugura amanhã, pelas 18.30 h, no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, (O)Porto, exposição de José Bacelar. Diz-nos o autor, na apresentação do seu trabalho, que “o Porto é um lugar de memórias“, assumindo as suas imagens como sentidas de um Porto no qual tem as suas raízes. Da cidade confidencia-nos que “é um lugar de que gosto, um lugar onde acabo sempre por voltar. Tenho vindo a fotografar a cidade, a família, amigos e conhecidos. Fotografo-os à medida que os encontro. De uma ou outra forma, todos habitam o Porto.

Cruzo-me com lugares que me fazem sentir. Fotografo-os. Reflectem o que sinto, como me sinto, o que sou e por onde vou. E muito tenho deambulado pela cidade. O Porto das deambulações, das paixões e do sentido da vida. Perco-me na cidade que conheço e na cidade que descubro.

Continuo a reencontrar velhos amigos e conhecidos, conheço pessoas. Deixei de ver a cidade como um todo. Passei a vê-la como fragmentos, fragmentos da minha identidade, do meu sentir. Sou parte do Porto, tal como sou parte de qualquer cidade.

A viagem, o quarto, os dois na cama, o olhar forte da proximidade, o rosto por trás dos prédios, a amizade e o amor incondicional, a cadela, os filhos dos outros, os filhos dela e a minha, as asas do anjo, ela adormecida, eu ao espelho, um abraço, um toque na mão, as árvores, as palmeiras, as marcas no corpo e na pedra, as memórias da casa…

Enfim, a cidade é a alma que a habita. O Porto que se sente. É o Porto que sinto, porque “o que vemos, não é o que vemos, senão o que somos”.

Esta entrada foi publicada em Notícias. ligação permanente.