Rituais de Ver

Captura de tela 2017-11-15 às 16.59.17

Fotografia Fátima Carvalho

Inaugura dia 18 de novembro, no Centro Português de Fotografia, Rituais de Ver de Fátima Carvalho. Transcrevemos o texto divulgado e da autoria de Maria do Carmo Serém, também responsável pela curadoria desta exposição.

Esta mostra revela um dos temas mais atuais da fotografia de hoje. Ao fixar o comportamento do público frente a uma oferta institucional, em locais específicos da circulação da cultura, insere-nos num dos problemas a resolver pela sociedade contemporânea, a procura da identidade pessoal.

Fátima Carvalho conhece bem o ato de fotografar, sabe insinuar distâncias, ponto de vista, enquadramentos do todo ou das partes e, acima de tudo, o milésimo de segundo do corte, o momento em que se encena a magia de um diálogo com a obra. E, bem o sabemos, a imagem fotográfica vale mais pelo seu polo poético do que uma qualquer estética.

O que vemos são situações que significam comportamentos do corpo, inconscientes ou reprogramados pelo social: a atenção que exige um endurecimento do tronco e uma breve orientação do olhar, a entrega pela sedução, – os braços caídos e a imponderabilidade física -, a surpresa incontrolada, a pesquisa partilhada pelo grupo, enfim, situações onde invariáveis ou invariáveis do comportamento se revelam com toda a clareza nestas imagens aparentemente limpas e claras.

Observamos então como das atitudes, nomeadamente a atenção direcionada aprendida como comportamento numa galeria, (e mesmo aí há o corte com a solenidade do lugar cultural, a imagem do homem com o cão alheado desse mundo), se passa aos comportamentos inconscientes que revelam a emoção. A emoção é o que se pode fotografar, pois é pública, irrompe para gerir a situação do que se olha, cria a intencionalidade da perceção e mantém-se nela para garantir a aprendizagem e a sua memória. Na memória não guardamos a adequação do corpo à atenção, mas apenas as sensações informativas e o estado do corpo. E esse estado do corpo é tangível pela imagem fotográfica e interpretado como emoção mesmo quando já se enreda no perceção: a jovem que leva as mãos à cabeça, a partilha da pesquisa pelas escolares, o reconhecimento de um detalhe, semelhando uma vitória da confirmação com o apontar sorridente de um indicador, a estranheza da imagem do quarto vazio atravessado pelo fio de luz elétrica não é só da observadora, é também nossa.

Traduzir a sedução pode ser, e é-o nos “Rituais do Ver”, uma outra sedução. Em fotografia implica mostrar significados sem perder a magia dos significantes, da indeterminação que abre todas as janelas do sentir.

Fátima Carvalho diz-nos que os rituais do ver são universais mas também diferentes em cada um, mas a poética que os revela é só mesmo sua“. Maria do Carmo Serén

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Notícias. ligação permanente.